PARTICIPAÇÃO ESTUDANTIL (SEM FRONTEIRAS)? PERCEPÇÕES, POTENCIALIDADES E OBSTÁCULOS EM CONTEXTO DE ENSINO SUPERIOR

PERCEPÇÕES, POTENCIALIDADES E OBSTÁCULOS EM CONTEXTO DE ENSINO SUPERIOR

  • Rosalina Pisco Costa Universidade de Évora
  • Jorge Casas Novas Universidade de Évora
  • Paulo Resende da Silva Universidade de Évora
Palavras-chave: Participação Estudantil; Ensino Superior; Associativismo; Desigualdade; Inclusão.

Resumo

Apesar de um discurso generalizado em torno da importância estratégica da participação dos estudantes na boa gestão das instituições de ensino superior como forma de fomentar a inclusão e superar desigualdades, a prática encontra-se muito aquém dos padrões desejados. Este artigo apresenta resultados preliminares de uma inquirição a estudantes universitários sobre participação estudantil no âmbito de um projeto transnacional e interuniversitário em que a Universidade de Évora é instituição parceira. O projeto STUPS – Participação Estudantil Sem Fronteiras tem como objetivo geral estabelecer as bases de uma rede europeia focada no desenvolvimento de novas práticas para promover a participação estudantil em contexto de ensino superior. Neste texto são exploradas as perceções, nomeadamente as vantagens e obstáculos identificados por estudantes universitários através de um questionário eletrónico aplicado na Universidade de Évora em 2020. No final, espera-se que os resultados obtidos possibilitem a identificação de dimensões chave que permitam refletir de uma forma ampla e sustentada sobre os diversos desafios que se colocam neste domínio e, ao mesmo tempo, fundamentar sugestões de mudança nos processos de funcionamento democrático das instituições de ensino superior tendo em vista o aumento da participação de categorias de estudantes sub-representados e desfavorecidos nos processos de tomada de decisão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bartley, K., Dimenäs, J., & Hallnäs, H. (2010). Student participation in higher education: A question of governance and power. Nordic Studies in Education, 30(3), 150–165.

Bergmark, U., & Westman, S. (2018). Student participation within teacher education: emphasising democratic values, engagement and learning for a future profession. Higher Education Research & Development, 37(7), 1352-1365.

Cardoso, S., & Santos, S. (2011). Students in Higher Education Governance: The Portuguese case. Tertiary Education and Management, 17(3), 233-246.

Cheng, E., Leung, Y., Yuen, W., & Tang, H. (2020). A model for promoting student participation in school governance. International Journal of Educational Management, 34(4), 737-749.

Costa, R. (2017). Knockin’ on Digital Doors. Dealing with online [dis] credit in an era of digital scientific inquiry. In Moe Folk & Shawn Apostel (Ed.), Establishing and Evaluating Digital Ethos and Online Credibility (pp. 46-65).

Hershey: IGI Global. ESU (2020). Statement on The Future of Education in Europe and a prospective Europen Education Area. Brussels: Euripean Students Union. Available from: https://www.esu-onlineorg/?policy=statement-european-education-area. Acessed October 25, 2020.

Fletcher, A. (2005). Guide to Social Change Led By and With Young People. Olympia, WA. Available from: https://web.archive.org/ web/20110929122915/http://www.commonaction.org/SocialChangeGuide.pdf#. Accessed October 25, 2020.

Huddleston, T. (2007). From student voice to shared responsibility: effective practice in democratic school governance in European schools. Council of Europe, Strasbourg. Klemenčič, M. (2012). Student Participation in Higher Education Governance in Europe. International Higher Education, 66(Winter), 32-33.

Lizzio, A., & Wilson, K. (2009). Student participation in university governance: the role conceptions and sense of efficacy of student representatives on departmental committees. Studies in Higher Education, 34(1), 69-84.

Masika, R., & Jones, J. (2016). Building student belonging and engagement: insights into higher education students’ experiences of participating and learning together. Teaching in Higher Education, 21(2), 138-150.

Miles M. B., Huberman, M. A., & Saldaña, J. (2014). Qualitative data analysis: A methods sourcebook. 3rd ed. Los Angeles: Sage.

Miorando, B., & Leite, D. (2018). Dimensões do engajamento estudantil para o contexto brasileiro: a emergência política da participação para a inovação pedagógica na Educação Superior. Educação Por Escrito, 9(2), 170-187.

Neuendorf, K. A. (2017). The Content Analysis Guidebook. 2nd Ed. London: Sage. Neuman, W. L. (2011). Social Research Methods. Qualitative and Quantitative Approaches. Boston: Pearson.

Pilkington, H., Pollock, G., & Franc, R. (Eds.). (2018). Understanding Youth Participation Across Europe. From Survey to Ethnography. London: Palgrave Macmillan.

STUPS (2020). STUPS Webpage. Available from: http://stupsproject.eu/en/ work/. Accessed October 25, 2020.

Yuen, T., Cheng, C., Guo, C., & Leung, Y. (2020). The civic mission of schools and students’ participation in school governance. Asian Education and Development Studies, 9(2), 229-241.

Publicado
2021-11-24
Como Citar
Pisco Costa, R., Casas Novas, J., & Resende da Silva, P. (2021). PARTICIPAÇÃO ESTUDANTIL (SEM FRONTEIRAS)? PERCEPÇÕES, POTENCIALIDADES E OBSTÁCULOS EM CONTEXTO DE ENSINO SUPERIOR : PERCEPÇÕES, POTENCIALIDADES E OBSTÁCULOS EM CONTEXTO DE ENSINO SUPERIOR. <font color="#A31C25">Revista FORGES </Font&gt;, 7(2), 62 - 86. Obtido de https://www.revistaforges.pt/index.php/revista/article/view/154
Secção
ARTIGOS